adplus-dvertising
13573

Judaísmo: a primeira religião abraâmica. As crenças, História e a Fé

O Judaísmo é a mais antiga dentre as religiões abraâmicas, e uma das mais antigas religiões monoteístas do mundo, com seus 3000 anos de idade. O judaísmo está associado ao povo judeu, já que a religião não é uma fé missionária, o que significa que ela não está aberta a pessoas de origem não judaica. Hoje em dia, a população judaica é de aproximadamente 14,5-17,4 milhões.

Crença Judaica

A fé Judaica é baseada na ideia do monoteísmo, onde os judeus acreditam em um único Deus verdadeiro, onipotente e onisciente, criador de todo o universo. Apenas essa entidade é digna de adoração, sem representantes ou intermediários.

Os judeus também acreditam na singularidade do povo judeu, já que eles são pessoas de Deus, e Deus prometeu a Abraão fazer de sua prole uma grande nação que irá herdar a terra de Canaã, a "Terra Prometida". Os judeus circuncisam seus filhos homens em cumprimento a esse pacto. Os judeus também acreditam na redenção e na outra vida, mas sua crença na salvação do homem não está atrelada à sua fé, mas unicamente em seus bons atos. Os judeus concordam na ideia do Messias, um salvador que chega no fim dos tempos para superar as forças hostis.

Livros Sagrados

Todas as leis e fés judaicas são retiradas de seus livros religiosos, que são divididos em dois tipos:

Lei escrita: conhecida como a Bíblia Hebraica (Tanakh) e contém: a Torá, a Nevi'im, e a Ketuvim:

A Torá é o mais antigo dos textos religiosos judeus e consiste dos cinco livros de Moisés, escritos em sua vida, detalhando vários eventos passados começando pela criação do universo até a criação dos seres humanos e cobrindo histórias dos profetas do passado, e a história dos filhos de Israel, e sua entrada no Egito e a ascensão de Moisés e seu êxodo com seu povo do Egito até Sinai e depois a morte de Moisés e a entrada dos judeus na Terra Prometida.

A Nevi'im cobre uma série de profetas judeus e os reinos judeus na Palestina e consiste de 19 livros, a história dos judeus e seus conflitos com seus vizinhos e termina com a desolação de Jerusalém.

A Ketuvim é a última seção da Tanakh formulada por 11 livros, manuscritos, poemas e histórias de poetas falecidos

Lei oral: Conhecida como Talmude, ela é uma coleção de discussões de rabinos judeus sobre moral, costumes e filosofia e adicionalmente, cobre muito da história judaica. Ela consiste de duas partes, Mishná e Guemará.

O Povo Judeu

41% dos judeus vivem hoje nos Estados Unidos da América, cerca de 40,5% vivem no Estado de Israel, e o resto está distribuído pelo mundo todo. Apesar de seus números baixos, e de serem uma minoria pela maior parte da história, os judeus fizeram contribuições inestimáveis para o desenvolvimento da ciência e da filosofia. Alguns dos nomes mais proeminentes incluem: o historiador judeu romano Flávio Josefo, que morreu em 100 d.C.; Maimônides Moshé, filósofo, estudioso e físico judeu que morreu em 1204; Baruch Espinoza, filósofo holandês que viveu no século dezessete. Os judeus e aqueles que possuem origens judaicas nascidos no século dezenove tiveram um grande papel na ciência, na cultura, literatura e filosofia. Nós podemos citar Albert Einstein, Karl Marx, Franz Kafka, e Sigmund Freud.

Feriados Judeus

Páscoa (Pessach)

A Páscoa é um dos feriados judeus mais importantes e ela é celebrada durante sete dias em comemoração ao Êxodo dos Judeus do Egito para a Palestina. Essa data é um dia nacional para o povo judeu.

Os judeus chegaram ao Egito na época de José, onde eles viveram com seus descendentes. A condição dos judeus sofreu uma dura reviravolta pouco depois e eles foram submetidos a um tratamento severo e à escravidão pelos egípcios, até os tempos em que Moisés os guiou para fora do Egito na noite do 14.º dia de Abib do calendário judeu, após 430 anos no Egito.

A tradição mais importante do feriado é o jantar, onde as famílias recitam passagens da Torá e bebem vinho. Hoje em dia, é muito importante evitar comer pão sem levedura em referência ao êxodo dos israelitas do Egito, onde eles não tinham tempo para esperar o pão crescer.


Shavuot

Celebrado no sexto dia do mês de Sivan no calendário hebreu e sete semanas após a Páscoa. Nesse dia, a colheita era celebrada e um banquete era oferecido no Templo de Salomão. Após a destruição do templo, ele passou a ser presenteado na sinagoga local.

As ocasiões especiais normalmente marcam o início da educação das crianças em hebreu, já que a Torá era revelada no Shavuot. Também é mencionado que o profeta Davi nasceu e morreu nesse dia, e é costume recitar os Salmos e visitar o Monte Sião, onde acredita-se que Davi fora enterrado.


Sucot

Equiparável apenas à Pascoa e ao Shavuot, esta celebração de oito dias começa no dia 15 do Tisri. O festival é um memorial aos tabernáculos que abrigaram os israelitas em sua migração do Egito. É considerado tradicional que cada família monte tabernáculos ou uma tenda com folhas de palmeiras perto de casa ou na varanda.


Yom Kipur (Yom Kippur)

Uma grande cerimônia religiosa para os hebreus, representando o dia em que o Profeta Moisés desceu do Monte Sinai para contar aos judeus que Deus lhes havia perdoado por terem adorado o bezerro de ouro. Os judeus passam esse dia jejuando e evitando fazer o que eles fazem em todo Shabat.

A festividade é celebrada no 10.º dia do Tisri no calendário judeu. Ela consiste de um jejum de 25 horas começando do pôr do sol do nono dia do mês até o pôr do sol do décimo dia do mês. O povo judeu passa esse dia jejuando, cultuando, rezando e buscando perdão.


(Purim)

Celebrado no terceiro dia de Adar no calendário hebreu, ele comemora o aniversário da salvação dos judeus na Pérsia de um massacre perpetuado por Hamã, Grão-Vizir do Imperador Persa Khashayarsha I, onde a esposa do imperador e o primo dela, Mordecai, salvaram os judeus dessa trama. O rito da celebração é marcado pela leitura do Livro de Ester.


Rosh Hashaná

O primeiro dia do Ano Novo Hebraico, e também os dez primeiros dias de penitência que terminam no Yom Kipur. O shofar é tocado durante o dia da celebração.


Hanucá

Um festejo celebrado por oito dias a partir do vigésimo quinto dia do Kislev, que corresponde a novembro e dezembro. O feriado é um período feliz em que a tristeza e o luto são banidos e as famílias fazem oito velas para a celebração, começando com uma vela e aumentando gradualmente a cada dia.

As datas do festival remontam ao aniversário da inauguração do Segundo Templo, quando os judeus não tinham óleo o suficiente para iluminar o candelabro sagrado. Um milagre ocorreu e as velas queimaram por oito dias com pouco óleo até que eles fossem capazes de preparar mais óleo.